Ao Ritmo da Poesia

Apostamos em TODOS!Queremos a Poesia na escola, em casa, na rua, na VIDA. Quem disse que é só o sonho que comanda a vida?
  1. Encerramento deste blogue

    O  projeto " Ao  Rimo da Poesia"  chega este ano  ao fim. Foi uma experiência de 13 anos , que agora termina.
    Obrigada a TODOS os alunos que  nele participaram e a todos os professores que os orientaram.
    Obrigada à profª Lucília Minhava pela ajuda  e por ter acreditado em nós.
    Um agradecimento muito especial à profª Ana Madalena , com quem muito aprendemos e  cuja amizade nos  irá sempre manter unidas.
    Uma saudade grande do prof. Basílio cuja atitude nos ensinou a  não desistir.

    Profª Helena Olga -2016-


  2. 6º B (2015/2016)









    As lembranças  
    São maravilhosas, mágicas
    Há algumas trágicas,
    Mas são lembranças.
    Lembranças…
    Que me trazem esperanças.

    Algumas são más
    Mas não nos devemos abater
    Temos de olhar em frente
    E o presente ver.

    Olhar para a frente
    Ser feliz
              Viver o presente.


          Sofia - 6º B-  2015/ 2016

           ( Orientada pela profª Ana Maria Silva)


  3. 6ºB (2015/2016)

    A árvore de Natal
    Vamos enfeitar
    O boneco de neve cá fora
    Com o nariz de cenoura e os olhos a brincar.
    Dia 24 de dezembro
    Os presentes vamos abrir
    Á noitinha
    Antes de dormir.


                       Leonor Pinto  e João Miguel 6ºB ( 2015/2016)
                    (Orientados pela profª Ana Maria Silva)


  4. 6º B ( 2015/ 2016)


    O amor
    é um sentimento
    bom, mágico
    é o  que
    não traz dor.

    Quando estou contigo
    fico bem
    fico como ninguém.
    És o ideal
    o único e
    se calhar o tal.

    O meu coração bate forte
    quando estou contigo
    e sei que sempre
    serás meu amigo.

    Sofia, 6º B ( 2015/2016)
    ( Orientada pela profª Ana  Maria Silva)


  5. Poemas selecionados


    Chove. É dia de Natal.

    Chove. É dia de Natal.
    Lá para o Norte é melhor:
    Há a neve que faz mal,
    E o frio que ainda é pior.

    E toda a gente é contente
    Porque é dia de o ficar.
    Chove no Natal presente.
    Antes isso que nevar.

    Pois apesar de ser esse
    O Natal da convenção,
    Quando o corpo me arrefece
    Tenho o frio e Natal não.

    Deixo sentir a quem quadra
    E o Natal a quem o fez,
    Pois se escrevo ainda outra quadra

    Fico gelado dos pés.

    Fernando Pessoa
    Poema selecionado pela aluna  Eva Felizardo, 9º E ( 2015/2016)

    Quando um Homem Quiser


    Tu que dormes à noite na calçada do relento
    numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
    tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento

    és meu irmão, amigo, és meu irmão

    E tu que dormes só o pesadelo do ciúme
    numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
    e sofres o Natal da solidão sem um queixume
    és meu irmão, amigo, és meu irmão

    Natal é em Dezembro
    mas em Maio pode ser
    Natal é em Setembro
    é quando um homem quiser
    Natal é quando nasce
    uma vida a amanhecer
    Natal é sempre o fruto
    que há no ventre da mulher

    Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
    tu que inventas bonecas e comboios de luar
    e mentes ao teu filho por não os poderes comprar
    és meu irmão, amigo, és meu irmão

    E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
    fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
    pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
    és meu irmão, amigo, és meu irmão


    Ary dos Santos,in As Palavras das Cantigas 

    Poema selecionado pela professora Lucília Minhava

Novidades das Bibliotecas