Blogue da biblioteca da escola S/3 S. Pedro - Vila Real

Blogue da Biblioteca da Escola S/3 S. Pedro
  1. O elogio da imperfeição


    1.Se tudo depende de mim, se posso manipular/conformar a realidade por completo (de modo a obter os resultados que pretendo), se estiver convencido de que, em querendo/esforçando-me/empenhando-me, chego (necessariamente) sempre ao que ambiciono; se toco, portanto, o ilimitado, se posso alcançar a perfeição - e quantas vezes o mundo nos diz isto, nas suas mais diversas faces, as mais das vezes muito amáveis e bem-intencionadas -, então não estou aberto às minhas debilidades, fragilidades, feridas (não estou aberto, sequer, a olhar para elas, a reconhecê-las; ajo, pois, como se não existissem), numa palavra, recuso sentir-me carente/carecido de algo/Alguém, de um plus. O fechamento de todas as possibilidades que não as minhas, pode ensinar uma moral transbordante (nos termos de Tagore, "Ele, que está demasiado ocupado em fazer o bem, não tem tempo para ser bom"), mas não se abeira do precipício da fé. Da gratuitidade, do dom, da graça. Não queiras ser perfeito, diz a Guida, ainda durante a infância, e a frase trespassa, corta e ilumina de um modo absolutamente intenso, muitos anos depois, a verdade maior da nossa condição. O perfeccionismo como erro. As ansiedades como contendo, em momentos diversos, raízes que podem ser de natureza genética, psicológica, mas, em realidade, espiritual, também (como contava ao António, caro aluno do Secundário: não fiques prisioneiro de um 18, ou de um 19; que é isso na vida?). Uma boa educação: inculcar/transmitir capacidade de diferir a recompensa (sim, sem dúvida); inculcar/transmitir a capacidade de escutar até ao fim – no dizer do padre Halík, não é que os ateus não tenham razão; é que não têm paciência(para escutar o mais íntimo da realidade, a realidade da realidade) - e de agraciar as minhas debilidades (não menos essencial). De outro modo, deifico-me e, certamente, me perco, me infernizo. Perdoarmo-nos/aceitarmo-nos, eis uma divisa raramente escutada. Um trabalho, precário, em progresso. Nunca concluído, suponho. Mesmo antes de ler Paolo Scquizzato e o seu O elogio da imperfeição - precioso desenvolvimento espiritual em torno desta noção, bela maneira de iniciar uma nova colecção, Grão de Mostarda(Paulinas)  - esta apresentava-se-me como uma das mais importantes descobertas destes trinta e tais. 
    2.Sem som, não se distingue o foguetório que ribomba na pantalha: o fogo-de-artifício tanto pode ser de Melbourne (em diferido), como de Madrid, Nova Iorque, Amarante ou dos Açores (que me dizem ter festejado, desta vez, com uma hora de antecedência 2017; haja alegria!). A normalização -o modelo jantarada de hotéis, concerto e foguetes no ar, a que se junta o inevitável banho no mar de dia 1, sempre acaloradamente reportado, a cada Ano Novo; o esquecimento cultural, vívido e vivido, do Natal - em vigor torna todos os tempos iguais. Para recorrermos à formulação do filósofo, “falta ao tempo um ritmo ordenador. Daí, que perca o compasso. (...) Não há nada que reja o tempo. A vida não se enquadra numa estrutura ordenada nem se guia por quaisquer coordenadas que engendrem uma duração. Identificamo-nos também com a fugacidade e o efémero. E, assim, cada um de nós próprios se torna qualquer coisa de radicalmente passageira. A atomização da vida supõe uma atomização da identidade. Cada um passa a ter-se somente a si mesmo (...) As pessoas envelhecem sem se tornarem maiores(…) Já não há diques que regulem, articulem ou deem ritmo ao fluxo do tempo, que possam detê-lo e guiá-lo, sustentando-o, no tão belo duplo sentido da palavra. Quando o tempo perde o ritmo, quando flui no aberto sem se deter sem rumo algum, desaparece também qualquer tempo apropriado ou bom(...) O homem perdeu completamente o sentido deste a tempo. Cedeu ao destempo” (Byung-Chul Han, O aroma do tempo)
    A necessidade da demora, a reivindicação contemplativa que assuma o tempo, o kairosno cronos, pode, pois, em chave de leitura para a Páscoa, ter este âmbito de escuta, este aroma: as chagas, as feridas, antes mesmo da ressurreição – e não há ressurreição sem morte -, têm que ser olhadas de frente – em nós, nas nossas ruas, no e nos que não queremos ver, os que tornamos invisíveis e descartados -, para que uma dada tradição (religiosa) se não nos ofereça/desfigure como a simples projecção narcísica triunfalista (sem tocar a realidade). Será, aliás, potencialmente, desse encontro com a nossa miséria que poderemos reconhecer a vida como dom e promessa, hora de acordar, momento de um salto: “A nossa experiência de fé move-se a partir de uma outra intuição originária: acreditamos porque experimentámos a misericórdia. Todo o crente é tal porque, num momento da sua vida, num lugar e num tempo precisos, intuiu e experimentou uma bênção, em geral, uma experiência de misericórdia. A raíz da fé não tem nada a ver com a lógica da causalidade, mas pelo contrário é, muitas vezes, uma misericórdia sem causa, e é exatamente nisso que está o seu carácter explosivo, a estupefacção” (Stella Morra, Deus não se cansa).

    Pedro Miranda
  2. Dia da Internet Mais Segura

    A Escola Secundária São Pedro associou-se às comemorações do Dia da Internet Mais Segura, que este ano teve lugar no dia 5 de fevereiro, em Portugal e em muito outros países.
    Durante a semana de 4 a 8 de fevereiro, nas aulas de TIC, dos 7.º anos (Turmas de A a F) e 8.º anos (Turmas de A a D) e 10.º L, do ensino profissional, e de Aplicações Informáticas, do 12.º ano (Turmas A, B, C, D, E e F) foram realizadas ações de sensibilização para comportamentos seguros na utilização de ambientes digitais e foram promovidas as normas de conduta a respeitar na navegação na Internet. Os alunos realizaram ainda uma atividade de Kahoot – Navegar em Segurança, disponibilizada pela Porto Editora, onde puderam, de uma forma lúdica e pedagógica, responder a questões sobre Segurança, Responsabilidade e Respeito em Ambientes Digitais. ExperimentaAQUI a atividade!
    As atividades para a promoção de uma navegação seguira na Internet, em articulação com a Biblioteca Escolar, prolongam-se até ao final do mês de fevereiro. Estão a ser divulgados na Biblioteca/Blogue da Biblioteca, Blogue O Broas e Página do Facebook da Escola recursos didáticos, retirados do site da SeguraNet/InternetSegura, como tiras de banda desenhada, vídeos e outros documentos de interesse.
    Alertar e sensibilizar os alunos para uma navegação segura na Internet é, no entanto, uma premissa constante ao longo do ano letivo.

    E tu, fazes uma navegas em seguração na Internet?

    Partilhamos aqui alguns materiais disponibilizados no sítio http://www.seguranet.pt/:
    - Pensa nos conteúdos que partilhas:
    http://www.seguranet.pt/sites/default/files/pensa_nos_conteudos_que_publicas.pdf
    - Pensa em como te podes proteger online:
    http://www.seguranet.pt/sites/default/files/pensa_em_como_te_podes_proteger_online.pdf
    - Pensa na tua lista de contactos online:


    Professoras de Informática, Lurdes Lopes e Rosalina Reimão

  3. Dia Mundial da Rádio
    No dia 13 de fevereiro comemorou-se o Dia Mundial da Rádio. Os alunos responsáveis pela Rádio da Escola associaram-se às comemorações e fizeram uma visita às instalações da Universidade FM acompanhados pela professora bibliotecária. Foram entrevistados e puderam divulgar o trabalho que estão a desenvolver e como pensam, no futuro, tornar a Rádio da escola um meio de partilha e divulgação de atividades mas também explorar as suas potencialidades educativas. Dois alunos da escola, acompanhados pela professora Catarina Ribeiro, leram poemas na sua língua materna. O Harry Wong leu um poema de Shakespeare e a Laura Saraiva leu um poema de Bertold Brecht.
    Sendo a literacia dos media um dos objetivos a desenvolver com os alunos, a biblioteca associou-se a este projeto como parceiro privilegiado para orientação na planificação, desenvolvimento das atividades e articulação com outros atores da comunidade escolar.
    São já algumas as atividades da biblioteca em articulação com a Rádio da escola já divulgadas neste blogue. Destacamos a gravação da leitura de poemas em voz alta e a gravação de um debate na biblioteca. 
    Partilhamos algumas imagens da visita à Universidade FM.







    Para uma utilização educativa da rádio ver: https://www.clemi.fr/fileadmin/user_upload/Guide_Lyceen_1_02_17.pdf

  4. Leituras em voz alta - Terra verde, mar azul

    No passado dia 30 de janeiro, dia internacional da leitura em voz alta, alguns alunos do 7.º C, o Harry Wong de Hong Kong e a Laura Saraiva, aluna de origem alemã, estiveram no estúdio da Rádio da Escola S/3 S. Pedro para a gravação da leitura de alguns poemas. Os alunos Rui Coelho e João Santos do 12.º G fizeram as gravações e partilharam com a comunidade educativa.








     Ficam os links:

    Leitura em voz alta do poema Rosalinda, se tu fores à praia

    Leitura em voz alta do poema As Baleias

    Leitura de um poema de B. Brecht em alemão

    Leitura de um poema de Shakespeare




  5. A melhor leitora do mês de janeiro

Novidades das Bibliotecas

  • INSCREVE-TE!Tânia Duarte, vencedora do Prémio Nacional de Animação 2006, estará na nossa escola, na quarta-feira, de manhã, no âmbito da Semana da Leitura da RBVR,...

  • Parabéns à Beatriz Peixoto Sá do 7º B e ao Gustavo Filipe Simões Cardoso do 8º B

  • Semana da Leitura . 5 de fevereiro10:00 | Espaço Zona livre3º Ciclo

  • Nos próximos dias 5 e 6 de fevereiro

  • Liberte o leitor que há em si! Rede de Bibliotecas de Vila Real celebra Semana da Leitura de 5 a 9 de março “A linguagem já abriu...

  •  Pedro Miranda e David RamosSessão de poesia – Deus como interrogação na poesia portuguesaDavid Ramosé um jovem vilarealense, com uma já significativa intervenção cultural no...

  • Alunos selecionados nas provas realizadas na escola:3º Ciclo:- Catarina Coutinho Alves Afonso - Alice Margarida Roçadas A. S. Meneses (Suplente)Secundário:- Maria Índia Azevedo Marques - Ana Catarina Moura Matoso...

  • SEMANA DA LEITURA 5 a 9 de março de 2018O tema aglutinador selecionado pela Rede de Bibliotecas Escolares de Vila Real / RBVR para a Semana...